Fórum de Idéias

Imprensa

Anvisa flexibiliza restrição a cigarros, mas bane produtos com sabores

ACTBR - Correio Braziliense - 05/11/2013

Compartilhar isto:  

 

Conhecidos aliciadores de fumantes juvenis, os cigarros com sabores característicos, como menta, cravo, canela e chocolate, deixarão de ser produzidos no Brasil a partir do próximo mês. A determinação faz parte da Resolução nº 14 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Embora a medida agrade a entidades e especialistas antitabagismo, eles acusam a autarquia de ter cedido à pressão da indústria do fumo ao sugerir uma mudança na norma, elaborada no ano passado e alterada há duas semanas. Originalmente, a resolução previa o banimento, além dos sabores, de outras 145 substâncias. Agora, esses compostos ficarão sob análise durante um ano e, enquanto isso, continuarão a ser permitidos. Após 12 meses, a questão será reavaliada. A ata da reunião na qual foi tomada a decisão deve sair nesta semana e, então, a resolução será alterada. O assunto é polêmico também dentro da própria agência, não tendo sido aprovado de forma unânime entre os cinco diretores da autarquia.

O documento original proibia os 145 aditivos, porque, segundo parecer da área técnica, se combinados, eles poderiam tornar o cigarro mais palatável. As empresas do tabaco, entretanto, afirmam que essas substâncias são imprescindíveis para a fabricação do cigarro e a diferenciação entre as 160 marcas registradas no país. “Dos 145 aditivos, 81 estão contidos na própria folha de duas das três espécies de fumo cultivadas no Brasil. Portanto, não são elementos estranhos. Se os aditivos forem cortados, 45 mil famílias de pequenos agricultores serão diretamente afetadas, por trabalharem justamente com estas variedades”, afirma Romeu Schneider, secretário da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra).

Mas, de acordo com a presidente da Aliança de Controle do Tabagismo (ACT), Paula Johns, o argumen to de que os aditivos são essenciais é equivocado. “Já há cigarros sendo vendidos sem os aditivos. E há, sim, formas de diferenciar as marcas sem levar em conta os aditivos. Antigamente, eles não tinham a quantidade de substâncias de hoje, e é possível combinar as outras substâncias de modo a caracterizá-las”, afirma Paula Jonhs. A conselheira da Associação Brasileira de Estudos sobre Álcool e Drogas (Abead), Sabrina Presman, também rebate o argumento do fumicultor. “Essa história de que é natural, e, portanto, não faz mal, é uma grande piada. A folha do fumo tem alcatrão, que é uma substância cancerígena. Não é algo, de fato, adicionado pela indústria, mas está na folha e pode causar câncer. A maconha, que também é natural, pode causar câncer e dependência”, diz.

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Compartilhar isto:  

 


« Voltar


Compartilhe

 

Mídias Sociais

 


CLIENTES

FW2